Santa Catarina: Saiba como o Estado está se posicionando para integrar  o NOVO MAPA-MÚNDI DA INDÚSTRIA

(Fonte Fiesc)

Primeiramente, a neutralidade brasileira diante dos conflitos parece pesar a favor de uma maior inserção em mercados diversos. Se tem um setor em que o Brasil pode ser protagonista no mundo é o de alimentos. Sendo assim, é nele que podemos definir as regras do jogo, mas para isso precisamos resolver as nossas questões. 

Pontos Fortes: 

  • É um dos estados mais industrializados do Brasil, com o quarto parque industrial e a maior diversificação setorial
  • Possui polos tecnológicos e startups envolvidos com a criação de inovações para a indústria 
  • Tem cultura de internacionalização. É local de origem e sede de multinacionais de setores como alimentos, material elétrico, eletrodomésticos, autopeças e plástico. Dessa forma, cerca de 800 pequenas e médias indústrias integram o Intercomp, programa de internacionalização da FIESC
  • A infraestrutura portuária é muito boa. O estado movimenta mais contêineres do que a Argentina inteira. Os dois principais terminais privados aplicam quase R$2 bilhões em aplicação e modernização.
  • Muitas empresas possuem laços culturais e tradição de negócios com a Europa. Os EUA são o maior importador de manufaturados catarinenses.
  • Estado tem um programa  agressivo de incentivos para investimentos privados.  

Tendências da Nova Ordem

Dessa forma, as tendências da NOVA ORDEM Empresas e países procuram reduzir riscos, ainda que isso implique em menor eficiência produtiva e custos mais altos

 • Autossuficiência: acima de tudo, em um mundo dividido e mais hostil, países almejam ser autossuficientes ou menos dependentes em energia, alimentos, tecnologias estratégicas e defesa nacional 

• Reindustrialização: países que abdicaram da produção industrial revalorizam o setor para ter produção própria de itens estratégicos e maior domínio das cadeias de valor. Conceito inclui o reshoring, que consiste em transferir fábricas e operações aos países de origem 

• Nearshoring : encurtamento das cadeias de produção, com a fabricação de produtos e itens em países próximos e com boas relações comerciais e diplomáticas 

• Double sourcing : ter ao menos dois fornecedores, de preferência em regiões distintas, para um mesmo produto ou insumo, como modo de gerenciar riscos associados às cadeias Instalações da de fornecimento

Marina Fioravante

Analista de Marketing. Formada em Publicidade e Propaganda e Jornalismo

Inscreva-se em nossa Newsletter. Receba as novidades no seu e-mail.